Diário de uma voluntária na África

Minha história começa em 1999, onde pela primeira vez senti em meu coração uma vontade enorme de doar meu tempo e dedicar a minha vida para servir outros, especialmente os mais necessitados. Depois de muito planejamento e espera, em 2006 eu embarcava em minha primeira viagem ao continente Africano.

Tirando toda a animação e felicidade por estar realizando um sonho, algo que muito desejei, é importante também falar do choque cultural. Sim, eu estava feliz e ao mesmo tempo impressionada com tudo que estava vivendo e ouvindo.

Naquele primeiro ano visitei 3 países diferentes, com línguas e dialetos diferentes:

Cabo Verde, um país de língua Portuguesa (Portugal) e Crioulo de origem francesa; a Gâmbia de língua Inglesa e vários dialetos; e  Senegal onde o a língua oficial é o Francês, mas há  vários outros dialetos! E acredite, o Idioma era apenas uma das muitas barreiras culturais…

Mas hoje quero contar um pouco sobre Cabo Verde.

Situado no oeste da África, esse país vem se tornando a cada dia mais matriarcal. Ao longo de sua  história,  a família cabo-verdiana  tem sofrido algumas mudanças e consequentemente também a sociedade, onde a mulher passou assumir a responsabilidade de liderança  da família  por diversos motivos, dentre eles o  mais comum é imigração do homem para países europeus em busca de melhores empregos e condições para uma vida mais digna. 

Na ausência do homem, a  mulher passou a assumir uma posição de destaque  na sociedade e quando essa não consegue emprego,  sai pelas ruas vendendo peixe ou legumes com uma bacia na cabeça e muitas vezes com o filho mais novo pendurado em suas costas.

Sem a presença paterna  no seio da família,  a mulher cabo verdiana  é obrigada assumir o papel de mãe e também de pai  na criação dos filhos. 

Desde mesmo antes da independência do país, o homem cabo-verdiano  já deixava a sua pátria e família, saindo para o exterior em busca da tão sonhada vida melhor, não é uma decisão fácil deixar para trás amigos, esposa e filhos  que com o passar dos anos já nem o reconheceram como pai, pois nunca tiveram essa referencia ou até mesmo a presença efetiva do pai. 

Se por um lado essa imigração ajudar  a amenizar a pobreza extrema de algumas famílias, ja que alguns maridos mandam parte de seus salários para ajudar financeiramente na criação dos filhos e com as despesas da casa,  por outro lado tem desestabilizado toda uma sociedade que precisa se adequar a nova realidade, e infelizmente não são raros os casos onde o homem constitui uma nova família no exterior, abandonando completamente mulher e filhos em Cabo Verde.

Lembro me bem particularmente do caso de uma  mulher cujo o pai havia ido para os Estados Unidos quando ela ainda era bem pequena e infelizmente ele  só lembrava dela na ocasião das festas de final de ano e quando finalmente ele telefonou foi para dizer que mandaria uma boneca como presente de natal, ela me contou isso em prantos  pois o  próprio pai não havia percebido que o tempo passou e que agora sua filha já era uma mulher adulta e não mais a menina que ha anos ele deixara para trás. Tudo que ela precisava naquele momento era da presença do pai nos momentos importantes de sua vida adulta e quem sabe na vida dos netos. 

Infelizmente casos como esses são comuns e cada dia se repetem mais e mais.

É muito importante oferecer apoio e suporte psicológico, emocional e espiritual a todos os membros dessas famílias desestruturadas, pois muitos perderam a identidade de sua função e papel dentro dessa estrutura, e toda essa desordem  é um terreno muito fértil para mágoa, rancor e sentimentos ruins. Alem de todo apoio emocional, a instituição pela qual sou voluntaria em Cabo Verde,  oferece também palestras informativas e formação profissional a jovens  e adultos que são considerados de risco para que possam tomar as rédeas de suas vidas de forma saudável e eficaz.

 

WhatsApp Image 2019-04-03 at 00.54.56

 

 

Captura de Tela 2019-04-02 às 19.53.18Patricia Santo é natural de Salvador -BA,  e há 15 anos atua como missionária voluntaria em projetos sociais pela JOCUM (Jovens com uma Missão) em países da  África. Já morou no Senegal e Gambia e atualmente mora em Cabo Verde, onde desenvolve projetos de ajuda emocional, espiritual e qualificação profissional as famílias cabo verdianas. 

Um comentário sobre “Diário de uma voluntária na África

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.