As pessoas acreditam que brincar é perda de tempo, inclusive as vezes comentam as crianças na escola “só brincam” como se fosse algo desnecessário.

Na verdade, quando você começa a brincar de forma habitual e rotineira com seu filho isso muda a sua relação com ele. Geralmente nossa relação é hierarquica (e deve ser assim, nós pais que damos as ordens e não ao contrário), mas na brincadeira é onde tudo pode, a criança tem poder de liderar e isso ajuda no desenvolvimento de habilidades de liderança.

A hora de Brincar é o momento de construir boas memórias. Fortalecer a relação mãe-filho, trazendo sentimentos positivos que serão lembrados nos momentos de conflito.

 

A verdade é que brincar traz beneficios e oportunidades de aprender, sobre o mundo, sobre quem somos e como podemos nos relacionar com pessoas e coisas a nossa volta. Através da brincadeira a criança aprende a resolver problemas, a comunicar pensamentos, sentimentos e necessidades. Aprende a se relacionar socialmente, compartilhar, esperar a vez, ter empatia pelo outro.

A hora de brincar é o momento em que você pode promover no seu filho os sentimentos de competencia, de capacidade, desenvolver autoconfiança e auto estima.

Como brincar com seu filho: Deixe seu filho liderar a brincadeira

Muitas vezes temos a ideia que brincar é dar aulas, ensinar como fazer as coisas, como montar castelos, ou qual é o jeito certo de colorir, ou fazer as coisas, mas aí a brincadeira vira pressão com expextativas dos pais de que a criança atinja os ensinamentos e objetivos que são dos pais e não o objetivo de diversão da criança.

O resultado é que a criança sente que é mais um momento que deve receber comandos e seguir ordens, e não um momento que ela pode ter liberdade de imaginar e tomar decisões sozinhas, escolher o que fazer e como fazer a brincadeira.

“QUANTOS COMANDOS DAMOS EM UM DIA?” No livro : The Incredible Years da autora Carolyn Webster-Stratton, ela explica que a média de comandos que damos a uma criança “considerada normal” sem comportamento dificeis, é de 17 ordens a cada 30 minutos. Ex.: Não suba na janela, coloque o sapato, cuidado pra não derramar a comida, coma tudo, não pule na cama, etc. Mas você pode se surpreender ao saber que com crianças mais ativas, com personalidades mais dificeis de controlar, os pais chegam a dar 40 comandos em 30 minutos é mais de um comando por minuto. Imagine agora como é para uma criança tentar obedecer tantos comandos, é a certeza que não ouvirá metade, e também não irá cumprir, tanto a criança como os pais terão a impressão que ela fracassou, que não é obediente, que não ouve. Esse sentimento é muito importante pois pode a partir disto, gerar comportamentos inadequados, já que não sou obediente então o que eu sou? Um mau filho?

Por isso é importante reduzir os comandos, e na hora da brincadeira deve ser uma momento que evitar dar ordens, permitimos a criança tenha poder sobre este momento. Sem a hierarquia mãe-filho, o filho tem poder  e autonomia de dizer o que fazer, vai desenvolver confiança na sua propria capacidade de tomar decisões, desenvolver a capacidade de liderarança, e se tornará algo muito mais interessante e criativo.

Outra questão importante é adequar a brincadeira, regular as atividades conforme a idade, o ritmo da criança. Já aconteceu comigo, eu comprei um brinquedo super legal (na minha cabeça rsrs) um jogo de regras, um quebra cabeça, mas para meu filho de três anos não era nada interessante. Ele ainda não estava na idade de montar quebra cabeças, ou jogar com regras, isso era monótono, pois o momento dele era brincadeiras de imaginação.

Então as atividades e brinquedos muito avançados podem fazer as crianças desistirem ou se sentirem incompetentes ou frustradas. Alguns pais as vezes ficam jogam videogames, ou montando legos sozinhos enquanto as crianças brincam com as caixas dos presentes.

A repetição é importante!

Mesmo que ficamos entendiados com brincadeiras repetitivas das crianças, a repetição é uma forma de testar, experimentar, entender se a mesma ação que a criança tiver terá o mesmo resultado. Assim ela aprenderá sobre predição, causa efeito, etc.

Seja sensivel aos sinais de seu filho: algumas atividades a criança pode se sentir resistente ou desinteressada em fazer porque talvez não esteja pronta para aquela atividade. Periodicamente voce pode oferecer novas atividades se a criança se mostrar pronta para aquela brincadeira.

Evite Disputas

Muitos pais entram em competição com as crianças, sobre quem ganhou o jogo, na intenção de ensinar seu filho a ser um bom perdedor.

É ok se a criança fizer suas proprias regras para ganhar, aceite as regras dela, mais tarde ela também vai aceitar as suas regras. A vida ensinará nossos filhos a perder em muitas situações. Crianças menores de 6 anos não precisam perder nas brincadeiras com os pais para aprenderem a aceitar a “perda“, podemos mostrar que não irão ganhar sempre, mas isso não precisa ser causa de briga durante o momento de brincar.

Outra questão que vira competição, é quando os pais fazem  a atividade junto tão bem feita que a criança se sente incompentente por não conseguir fazer igual. Ex. Montar lego, pintar, desenhar, etc.

Lembre-se quem está brincando é a criança, você vai incentivar. Pense em você como uma audiencia apreciativa, é um momento que eles vão receber sua atenção, eles serão elogiados, pelas habilidades que tem, pelo que conseguem fazer, como criatividade, concentração, cooperação, etc. É poder receber atenção positiva, receber atenção por estarem sendo eles mesmos brincando e se desenvolvendo.

Elogie

É facil cair na armadilha de ficar corrigindo quando eles estão brincando. “esse não vai aí!”, “o ceu é azul”, “essa não é a maneira certa de fazer!”  A criança vai entender que os pais apenas prestam atenção no que fazem de errado, e nada do que fizer de bom está sendo notada. E ao inves de incentivar o processo criativo da criança, ela vai entender que existe uma exigencia de perfeição!

NÃO JULGUE! Carros podem voar, animais falam, etc.

Pense formas de elogios que reforcem as habilidades como concentração, expressão de sentimentos, motivação, auto confiança etc. Tente elogiar a cada 2 a 3 minutos, algo que perceber.

Isso é realmente importante para a criança, sentir que recebeu sua atenção por um comportamento positivo, através do elogio, a criança constroi uma boa auto-estima, um auto-conceito de que é capaz e consegue fazer as coisas, e começa a se tornar mais confiante nas suas habilidades.

Preste atenção: Não entre na espiral negativa (não faça isso, não mexa naquilo, pare de fazer isso, etc)

Faça elogios de forma efetiva:

  • Faça contato visual (se for possível para a criança) – tenha certeza que estão ouvindo e vendo o que está dizendo.
  • Sorria, mostre aos seus filhos que você está feliz com eles.
  • Elogie ações específicas logo que eles as fazem.
  • Dê atenção física, com abraços, beijos, hi-5, etc.
  • Seja específico: não seja vago, descreva o comportamento que foi positivo, “você é muito habilidoso em contruir os legos”, “você fez um bom trabalho em arrumar seus brinquedos”!
  • Elogie quando o comportamento está realmente acontecendo!
  • Mostre entusiasmo, energia, sinceridade! (especialmente para crianças que são distraidas)
  • Evite colocar correções junto com elogios. Ex.: Que bom que voce fez sua cama, porque não pode fazer isso todos os dias!  Esse tipo de comentário desvaloriza o elogio, lembrem-se estamos educando, e a aprendizagem é um processo então o elogio é um reforço ao comportamento que queremos que permaneça. Por isso precisa ser claro, preciso e específico!

Sugestão de frases que podem ser usadas:

  • Eu gosto quando você…
  • Mamãe tem muito orgulho de você quando…
  • Você ajudou a arrumar os brinquedos. Que otimo ajudante você é!
  • Nossa! Fico muito feliz quando você …
  • (falando pra outra pessoa) Papai venha ver que lindo que ficou o desenho do …

PS: não espere pelo momento perfeito, os pequenos processos de aprendizagem e conquistas devem ser reconhecidos.

Quando a atenção positiva é demonstrada o comportamento bom recebe atenção e assim os comportamentos negativos não são necessários pois a atenção será dada quando tiver comportamentos positivos.

Quando tiver outras crianças brincando, estimule a socialização: Elogie os comportamentos sociais, como compartilhar brinquedos, esperar a sua vez, ajudar o amigo, dizer obrigado, ou pedir desculpas.

Se a hora de brincar (playtime) se tornar rotina, algo de meia hora a uma hora todos os dias, assim você pode dizer a criança que esse é o momento dela, e depois a mãe  ou pai terá seu momento de fazer suas coisas. Essa é a forma mais efetiva de você ter uma momento seu.

Crianças buscam a atenção dos pais, se você não ter atenção de forma positiva, ela terá comportamentos negativos, brigas, manhas, choros desnecessários para receber sua atenção. A atenção positiva é o caminho do desenvolvimento emocional saudável, ser pai e mãe é poder saber como melhor ajudar nossos filhos a se desenvolver.

Experimente, tenho certeza que além de seu filho se divertir, será gostoso pra você também! As crianças crescem rápido, faça com que elas tenham uma lembrança gostosa da infância.

 

Anúncios