A Culpa de Mãe e a Culpa da Mãe.

Ser mãe é ter culpa. Sentimos culpa por tudo, por estarmos longe, por não comprarmos um brinquedo, pelos nãos, pelos sims, por errar e principalmente, nos culpamos por sentir. A maternidade nos toma de uma maneira tão violenta que sentimos culpa por sentimos que somos mulheres, além de mães.

Hoje convido vocês a pensarem sobre dois pontos de vista diferentes: a culpa de mãe, e a culpa da mãe, e acho importante frisar que não sou pedagoga nem psicóloga, sou “apenas” mãe, e é sobre essa experiência e perspectiva que escrevo hoje.

A maturidade está mudando a maneira com a qual vejo e reflito a maternidade. Em poucos meses farei 40 anos, 10 de maternidade, e essa maturidade está me mostrando que posso ser livre, posso querer ser feliz como mulher, além de mãe. O que aprendi sobre a culpa: ela está aqui, mas não pode dominar quem eu sou, é necessário entendê-la e dominá-la para poder ser livre.

A Culpa de Mãe.

Mãe se culpa por tudo, tudo mesmo, não é verdade? Eu por exemplo, me culpo muito, mas entendo que muitas culpas são criadas para agradar a sociedade.

No começo, sentia culpa por não saber o que fazer quando meu filho nasceu, por ter sentido tristeza, por não ter conseguido amamentar. “Como posso sentir essa tristeza se sou mãe? Será que não amo meu filho o suficiente? Será que sou o que ele precisa que eu seja?” Também tem aquela culpa de sentir-se cansada, a culpa de querer que aquela criança pare de chorar e durma…

Penso que a culpa de mãe é a culpa do sentir, aquele sentimento secreto de querer ser mulher além de mãe, por sentir e querer coisas que a gente sentia e queria antes de sermos mães. A gente se culpa por querer sair com as amigas, por querer passar um final de semana a sós com o parceiro, por trabalhar fora, por ser independente, por querer ficar sozinha um pouco, em silêncio. A gente se culpa por sentir coisas que podem ser consideradas “menos mãe”… “como posso sentir isso com tantas outras mães sofrendo por terem um problema real”? A gente esquece que antes de ser mãe, nós éramos mulheres, nos tínhamos amigos, vida social, namorado, marido.

É impossível seguir sendo mulher depois de ser mãe? Claro não é, mas a culpa convence você que sim, pois “como que você vai sair com os amigos e deixar seu filho em casa”?

Daí vem uma outra culpa…

A Culpa da Mãe

Essa é a culpa que a sociedade coloca sobre nós. Quando todos culpam outras mulheres por coisas e/ou situações que acontecem com crianças, independentemente do que seja. Ficou doente… “a mãe não agasalhou”. Chorou no avião… “nossa essa mãe não vai fazer nada? Escândalo no shopping… ” cadê essa mãe que não reprime?” Toda a criança chora, faz malcriação, mas isso tudo é culpa da mãe. Pense nisso, você vai perceber que muitas culpas que sentimos como mães vem da sensação (e da certeza) de que somos julgadas como mães o tempo todo. Para mim, essa é a raiz de muitas culpas, da maioria delas.

A gente carrega tanta culpa que a gente culpa as outras mães.

Quando seu companheiro não faz a parte dele, não divide tarefas, não se toca que vocês são os “donos da casa”, tudo cai nas costas da mãe. Na dele também, pois me diga se você nunca pensou “é culpa da mãe dele que o criou assim”. Será que a culpa não foi do pai dele que também não fez nada e não deu exemplo? Será que não foi a sociedade que impôs que aquela mulher fizesse tudo?

Mas então, a culpa da mãe é culpa do pai? Não, sou contra extremismos, mas devemos sim refletir sobre os conceitos e dividir as responsabilidades. Pai não ajuda, pai tem que ser Pai!

Mães cujos pais são parceiros, dividem tarefas, cuidam dos filhos de igual pra igual, sentem menos culpa? Talvez, mas sinto que o que precisamos trabalhar de verdade é o conceito de que a culpa é da mãe, entender que não somos perfeitas, sem julgamentos, possamos ser mais solidárias, humildes e empáticas, prestarmos mais atenção em nós como mulheres e lembrarmos que aquela outra mãe também é uma mulher que sente culpa, assim como você.

Minha mãe uma vez me disse e nunca mais esquecerei: “Mãe feliz tem filho feliz”.

Mais amor e menos culpa ❤️.

Anúncios

Autor: Ana Carolina Gebin

Mãe, Μαμά, Mommy... Being a Mom is to constantly learn.

5 pensamentos

  1. Otimo texto. É liberador ouvir testemunhos de maes como este. Só o fato de sabermos que outras maes tb sentem as mesmas ambivalencias que temos, ja nos faz sentir menos culpadas. Daniela Lourenco

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s